Estás em paz com o Não?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

Uma das minhas grandes dificuldades sempre foi dizer NÃO.

Não quero.
Não me apetece.
Não vou.
Não gosto.
Não me faz sentido.
Não concordo.
Não deixo.
Não admito.

Grrrrrr! É como se o ‘Não’ não saísse, e ficasse ali entalado na garganta.
Como se, no fundo, eu sentisse que a outra pessoa poderia sentir-se humilhada ou ressentida comigo.
Muitas vezes nem era isso que acontecia, mas era sempre o que eu deduzia que ia acontecer.

Ainda hoje é desafiante para mim dizer ‘Não’ de uma forma natural e descontraída, sem culpa.

Acredito que a nossa sociedade nos educa, desde sempre, para agradar ao outro: não o podemos magoar, desagradar ou criar conflito.
Caso o façamos, podemos deixar de pertencer, podemos deixar de ser amados.
Por isso, mais vale dizermos ‘Sim’ a tudo, ou inventarmos uma desculpa muito válida caso queiramos dizer Não.
Como se fosse mal visto dizermos ‘Não’ só por ser o nosso sentir daquele momento.

Exemplo: Alguém nos convida para um jantar ao qual não queremos mesmo ir. Ou porque estamos extremamente cansadas, ou porque desejamos estar sozinhas, ou porque gostaríamos de poupar dinheiro, o que for.

A tendência nestes casos é, muitas vezes, inventar uma desculpa que não é verdadeira: “já tenho outro jantar” ou “não vou estar por cá”.
Já o fiz, e já vi outras pessoas à minha volta a fazê-lo também.

Se pensarmos bem, usamos desculpas quando não conseguimos assumir o Não.

Mas…

– porque é que o facto de não me apetecer sair não é motivo suficiente para eu recusar um convite?
– porque é que eu querer estar sozinha não é válido?
– porque é que preferir poupar dinheiro não pode ser uma razão plausível?

Sim, os teus motivos são suficientes, válidos e plausíveis.

Convido-te a identificares as razões que te levam a querer dizer Não e a assumires mais vezes: tanto o Não como as razões subjacentes.

E adivinha: as pessoas aceitam.
Porque quando tu aceitas, toda a gente aceita.

Ah, e se no momento em que te questionam/convidam/propõem, ainda não souberes exatamente o que queres fazer, não há problema algum em dizeres: “Deixa-me ver melhor, digo-te mais tarde”.

Acima de tudo, honra o que sentes, assume-te e expressa-te!

Até breve,

Sílvia Xará

Imagem: Business photo created by katemangostar – www.freepik.com

Deixa o teu comentário

Sobre Mim

O meu nome é Sílvia Xará. Após trabalhar com diferentes tipos de público e contextos, enquanto psicóloga clínica, e de frequentar várias formações na área do desenvolvimento pessoal, foi nas feridas da minha própria história que descobri a minha paixão e missão de vida.

O meu propósito é, assim, ajudar mulheres a (re)descobrirem o seu amor próprio, a cuidarem das suas emoções e a conectarem-se com o seu Feminino.

Posts mais recentes

Segue-me no Facebook

Os meus serviços