Nutrir a criança interior

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

A criança interior representa o nosso lado mais inocente, alegre, despreocupado, curioso e divertido, que gosta de brincar!

E embora estas características sejam muito positivas, há certamente partes da nossa infância, da nossa criança, que não são assim tão cor-de-rosa.

Debaixo das mulheres que hoje somos, talvez habitem crianças que outrora viveram traumas profundos, sentiram ausência de afeto, sentiram-se inferiores, inseguras, desprotegidas, rejeitadas, abandonadas, ou que nunca eram suficientes.

Ao longo do nosso crescimento, vamos talvez procurando ignorar essas feridas, embora as transportemos inconscientemente para os nossos relacionamentos, repetindo sempre os mesmos padrões.

A infância é também a altura em que começamos a construir as crenças sobre nós mesmas e sobre o mundo, com base no que nos foi transmitido pelos nossos pais e por outras figuras significativas.

“O dinheiro é muito difícil de ganhar”
“As pessoas não são de confiança”
“Se fizeres tudo bem, és uma linda menina”
“Se te portares mal, és má”
“És distraída e desastrada”
“O que fizeste não chega”

Vamos ouvindo frases como estas muitas vezes, e começamos a acreditar nelas como se fossem verdades absolutas, mesmo que não o sejam.

Seja quais forem os sentimentos, as dores e os traumas que vivenciámos na infância, é possível que eles nos tenham moldado ao longo da vida e que alguns deles ainda morem dentro de nós.

O facto de irmos ficando com mais anos de vida, não significa que essa criança esteja curada, que essa criança já não exista.

A verdade é que essa criança que fomos, continua dentro de nós. É a nossa criança interior. Que caso não seja olhada, nutrida e amada continuará a sentir-se mal e vazia.

A forma como nos sentimos revela muito da forma como ela se sente.

Curar a criança interior significa assumirmos a responsabilidade por nós, pelas nossas necessidades. É um convite à reparentalização.
Eu me torno primeiramente mãe de mim mesma, e dou-me aquilo que eu preciso. Quão poderoso é isso?

Nutrir a criança interior é também resgatar brincadeiras e práticas que nos faziam sentir felizes e amadas na infância: cantar, dançar, brincar às escondidas, pintar um desenho, ver desenhos animados, saltar à corda, fazer um bolo, ler uma história de encantar.

E tu, como sentes que podes nutrir a tua criança interior? 

Um abraço grande,

Sílvia Xará

Deixa o teu comentário

Sobre Mim

O meu nome é Sílvia Xará. Após trabalhar com diferentes tipos de público e contextos, enquanto psicóloga clínica, e de frequentar várias formações na área do desenvolvimento pessoal, foi nas feridas da minha própria história que descobri a minha paixão e missão de vida.

O meu propósito é, assim, ajudar mulheres a (re)descobrirem o seu amor próprio, a cuidarem das suas emoções e a conectarem-se com o seu Feminino.

Posts mais recentes

Segue-me no Facebook

Os meus serviços