8 truques para uma relação mais positiva com a alimentação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email

A nossa ligação com a alimentação é, naturalmente, emocional.

Quando nos sentimos deprimidas ou stressadas, por exemplo, podemos perder o apetite OU, por outro lado, comer desalmadamente (ter compulsões alimentares).

É sobre este último caso que quero falar nesta publicação.

Desde que me lembro que sempre utilizei a comida como um mecanismo de regulação emocional, ou seja, como uma solução para gerir emoções desafiantes (como o medo, a culpa, a raiva, a impotência, a tristeza e o aborrecimento).

Parecia que, nesses momentos, apenas a comida me conseguia dar conforto e aquietar as minhas dores.

Afinal de contas, a comida está sempre disponível, não magoa, não discute e não critica, não é?

Passei a viver num ciclo vicioso de: dor –> compulsão alimentar –> culpa, criando uma relação obsessiva com a comida e muitas oscilações de peso.

Com o tempo, fui conseguindo fazer as pazes com a minha alimentação, embora ainda hoje sinta que não é uma cura totalmente conseguida.

Tudo é um caminho, não é?

De qualquer forma, deixo-te aqui 8 truques que te poderão ajudar também a ti a ter uma relação mais positiva com a comida.

1. Experiencia a refeição como um “todo sensorial”

Quando devoramos a comida focamo-nos somente no seu paladar, ignorando todos os outros sentidos.

Bem sei o quão difícil é, num momento de compulsão, apreciarmos a comida de forma consciente e lenta. Às vezes não dá mesmo!

Por isso, o meu convite é que, não especificamente nos momentos de compulsão, mas no teu dia-a-dia, procures experienciar as refeições como um “todo sensorial”.

Contempla o teu prato, sente o seu cheiro, toca nos alimentos e saboreia cada garfada de forma mais lenta.

Repara em como os alimentos estão a dar energia ao teu corpo e a proporcionar-te uma sensação de satisfação.

Procura vivenciar a refeição da forma mais presente e consciente possível.

2. Previne os ataques aos armários

Se existe o risco de devorares bolos, chocolates e batatas fritas como se não houvesse amanhã, pondera não teres esses alimentos em casa (pelo menos em grande quantidade) para que, num momento mais frágil, seja mais difícil teres acesso a eles. Desta forma, irás gerir melhor as tuas compulsões.

3. Conecta-te com as tuas emoções

Quando sentires o impulso de comeres compulsivamente, pára por um momento e questiona-te: “O que estou a sentir que me leva a querer comer? Quais as emoções que estão presentes em mim?” e anota num caderno.

Ao fazeres isto durante algumas semanas, poderás notar um padrão emocional, e aí pergunta-te: “Que outras coisas poderei fazer quando me sentir assim? Poderei colocar uma música, gritar, chorar, fazer uma meditação, ligar a uma amiga, ir caminhar?”.

Reflete, escreve as tuas respostas e experimenta colocá-las em prática.

4. Liberta a mentalidade de “tudo ou nada” e sê mais flexível

Perdi a conta às vezes em que, por ter comido um pouco demais, adotei a postura de “perdida por 100, perdida por 1000”.

Passava de comer um único chocolate a comer um chocolate mais um croissant mais um gelado mais um hambúrguer, e por aí fora… Eu sentia que já tinha “errado”, e por isso queria aproveitar aquela oportunidade para comer tudo o que queria! Essa atitude apenas conduzia a uma maior culpa e indisposição.

O meu convite é que te permitas ser mais flexível: não precisas de comer tudo o que desejas num só dia.

Sim, podes comer hoje um bocado de chocolate e amanhã um pouco de gelado, se te apetecer.

Não consideres que há “alimentos proibidos”, apenas alimentos que é benéfico comeres em maiores quantidades e outros em menores.

5. Liberta o controlo

Percebi que, quanto mais controlava TUDO o que comia, piores eram as minhas compulsões alimentares (total controlo = total descontrolo).

Procura ter hábitos alimentares saudáveis sim, mas não controles a tua alimentação ao mais ínfimo pormenor. Quanto mais presa te sentires dentro da tua própria alimentação, mais exacerbadas e frequentes serão as tuas compulsões.

6. Não te culpes

O que está feito, feito está, e mesmo que tenhas tido uma compulsão, tu fizeste o melhor que sabias e conseguias!

Tudo o que querias era sentir-te melhor e apagar essa dor. Apoia-te e fica do teu lado, como farias com uma amiga.

7. Dorme bem

A falta de descanso pode conduzir a oscilações de humor e uma maior vontade de consumir alimentos mais açucarados e ricos em gordura. Teres um sono reparador irá prevenir as tuas compulsões.

8. Pratica exercício físico (que gostes)

Pode ser caminhar, dançar, fazer aulas de grupo ou musculação, o que importa é que te mexas.

A prática de um exercício físico do nosso agrado ajuda-nos a diminuir o stress e a aumentar o bem-estar, reduzindo a fome emocional.

Espero, de coração, ter-te ajudado com estas dicas.

Até breve <3

Sílvia Xará

Deixa o teu comentário

Sobre Mim

O meu nome é Sílvia Xará. Após trabalhar com diferentes tipos de público e contextos, enquanto psicóloga clínica, e de frequentar várias formações na área do desenvolvimento pessoal, foi nas feridas da minha própria história que descobri a minha paixão e missão de vida.

O meu propósito é, assim, ajudar mulheres a (re)descobrirem o seu amor próprio, a cuidarem das suas emoções e a conectarem-se com o seu Feminino.

Posts mais recentes

Segue-me no Facebook

Os meus serviços